Don’t Leave me Now

Don’t Leave me Now – Pink Floyd

Não me deixe agora seria a tradução mais correta pra Don’t Leave me Now. A música do Pink Floyd faz parte do aclamado álbum The Wall. Tratando do relacionamento de duas pessoas, ela entra forte no desenvolvimento do personagem Pink.

Para saber mais sobre a música “Empty Spaces” clique AQUI

A música

Don’t Leave me Now conta com um baixo sintetizador, um piano, uma guitarra tratada com retardo e um órgão. Todo isso não faz com que haja apenas uma tonalidade. Na verdade os acordes são dissonantes e parecem correr para compassos separados.

Para se ter uma ideia da confusão, Phil Rose, que é um dos maiores musicólogos do mundo, chegou a afirmar que a parte central da canção é totalmente disfuncional no quesito harmonia. Ou seja, Don’t Leave me Now quase não é uma música.

Na segunda parte da música as coisas começam a melhorar com a entrada da bateria, da guitarra e do baixo. Mas mesmo assim, ainda há muita dissonância.

A história de Pink

Quando Don’t Leave me Now começa, Pink convida uma groupie para seu quarto, mas acaba explodindo, quebrando tudo e a mandando embora. Ele então cai em depressão e, apesar de o casamento estar fracassado, insiste em voltar.

Ainda que a insistência seja grande, Pink parece agir de forma indiferente. Isso tem ligação com seu estado mental cada vez mais deteriorado. Então, ele implora pela volta da esposa assim:

“Eu preciso de você, querida
Para colocar o picador de papéis
Na frente dos meus amigos”

Assim, é possível perceber que muito pouco dos sentimentos de Pink é real. Então, a passagem de Don’t Leave me Now, no lugar de ser vista como um grito de desespero, demonstra o mergulho dado pelo astro em direção à insanidade.

A vida de Roger Waters

Roger Waters foi o autor da grande maioria das letras presentes em The Wall. O disco, que surgiu de um mergulho que o autor deu em sua própria existência, trouxe muitos trechos que são considerados autobiográficos.

Pink é um astro de rock perdido, que não sabe o que fazer com a fama e está a ponto de se entregar a insanidade. Ainda conta com dificuldades para lidar com a mãe e com autoridade, muito do que se vê na vida de Waters.

Até mesmo o estilo de vida lembra um pouco o do rockeiro. Waters, no entanto, afirma que essa parte da vida de Pink não tem relação com sua vida pessoal. Segundo ele, Don’t Leave me Now é apenas a letra de uma música de pessoas que se tratam mal.

Ouvido em um especial de rádio realizado no ano de 1992, Roger afirmou que Don’t Leave me Now não descreve a sua vida com sua esposa na época. Ele afirmou que tinha um relacionamento muito mais cordial com a própria esposa.

A dúvida permanece

Ainda que o autor tenha negado que haja um quê de autobiografia em Don’t Leave me Now, a verdade é que são muitos os indícios que apontam nessa direção.

Roger Waters deixou o Pink Floyd pouco tempo depois do lançamento de The Wall e isso foi o suficiente para que muitos atribuíssem a ele a personalidade de Pink.

A música “Don’t Leave Me Now” do Pink Floyd é cantada por Roger Waters, um dos fundadores da banda. Waters é conhecido por sua voz distinta e sua interpretação emotiva das letras filosóficas e políticas da banda, e é amplamente considerado como o principal letrista e compositor da banda durante sua fase mais produtiva. A música “Don’t Leave Me Now” é uma expressão da visão artística e da habilidade musical de Waters, e sua interpretação é uma parte importante da música e da performance teatral do Pink Floyd.

 

Curiosidades sobre música Don’t Leave Me Now

Don’t Leave Me Now é uma música do Pink Floyd, presente no álbum “The Wall”. Lançada em 1979, “The Wall” é um álbum conceitual que aborda temas como a solidão, a alienação e a opressão política. “Don’t Leave Me Now” é uma das músicas mais importantes desse álbum, pois representa a sensação de desespero e solidão do personagem principal, Pink.

A música começa com Pink implorando para que alguém não o deixe sozinho. A letra expressa a sensação de necessidade de conexão e apoio humano, e toca em questões universais sobre a solidão e o medo de ficar sozinho. A música é acompanhada por uma performance teatral intensa, com Pink interpretando vários personagens ao longo da música.

Música é apreciada por fãs do Pink Floyd

A canção “Don’t Leave Me Now” é conhecida por sua letra emotiva e por sua performance teatral intensa, e é amplamente considerada uma das mais fortes e impactantes do álbum “The Wall”. A música é apreciada por fãs do Pink Floyd em todo o mundo por sua abordagem única e inovadora aos temas da solidão e da alienação.

Roger Waters é o cantor da música, um dos fundadores da banda. Waters é conhecido por sua voz distinta e sua interpretação emotiva das letras filosóficas e políticas da banda, e é amplamente considerado como o principal letrista e compositor da banda durante sua fase mais produtiva. A interpretação de Waters em “Don’t Leave Me Now” é uma parte importante da música e da performance teatral do Pink Floyd.

Música importante na história do Pink Floyd

Além de sua importância no contexto do álbum “The Wall”, “Don’t Leave Me Now” é uma música importante na história do Pink Floyd em si. A música é conhecida por sua letra perturbadora e sua performance teatral intensa, e é considerada uma das mais fortes e impactantes do álbum.

A canção “Don’t Leave…” é uma música que se conecta com muitos fãs do Pink Floyd, pois toca em questões universais da solidão e da necessidade de conexão humana. A música é uma expressão do anseio humano por conexão e apoio, e é uma parte importante da história e da influência do Pink Floyd.

Em resumo, “Don’t Leave Me Now” é uma música importante do Pink Floyd, presente no álbum “The Wall”. A música representa a sensação de desespero e solidão do personagem principal, Pink.

 

  • OBS: Contribuição do internauta Fábio Rumão sobre a tradução do título da música.v“To put through the shredder in front of my friends ”A tradução correta :
    Para te criticar ( ou insultar) na frente dos meus amigos.Isso é uma expressão idiomática que tem por origem : To rip ou tear to shreds , que significa : criticar severamente ou humilhar Fábio R.Souza, professor de inglês e floydiano em São Paulo capital

1 comentário em “Don’t Leave me Now – Pink Floyd”

  1. Detalhe:
    “To put through the shredder in front of my friends ”
    A tradução correta :
    Para te criticar ( ou insultar) na frente dos meus amigos.

    Isso é uma expressão idiomática que tem por origem :
    To rip ou tear to shreds , que significa : criticar severamente ou humilhar

    Fábio R.Souza, professor de inglês e floydiano em São Paulo capital

    Abraços

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.